REVISTA ELETRÔNICA DE JORNALISMO CIENTÍFICO
Dossiê Anteriores Notícias HumorComCiência Quem Somos Fale conosco
Dossiê
Editorial
Neurociências: ensino e divulgação científica - Carlos Vogt
Reportagens
A luta contra o AVC no Brasil
Beatriz Abramczuk
e Edlaine Villela
De pai para filho: fatores genéticos e ambientais podem desencadear a doença
Danielle Lucon
e Fábio Mury
Qualidade de vida pós-AVC
Ana Paula Morales,
Carolina Toneloto,
Daniele Martini
e Sueli Adestro
Janelas de tempo: a eficácia do atendimento de emergência
Caio Moreira
e Felipe Modenese
AVC na infância?
Cleide Fernandes
e Enio Rodrigo
Quando o médico vira paciente
Marcela Carlini
e Renata Armas
Falta divulgação de AVC em animais de estimação
Cesar Ornelas
Artigos
Decifra-me ou devoro-te...
Li Li Min
Epidemiologia e impacto da doença cerebrovascular no Brasil e no mundo
Norberto Luiz Cabral
Acidente vascular cerebral e pronto-socorro
Lucas Vilas Bôas Magalhães
A divulgação do AVC por dois meios de comunicação de massa
Ricardo Afonso Teixeira,
Li Li Min
e Vera Regina Toledo
Neuroimagem dos infartos e hemorragias
Augusto Celso S. Amato Filho
O doppler transcraniano como método complementar diagnóstico e terapêutico
Viviane Flumignan Zétola
e Marcos C. Lange
Diagnóstico por imagem da trombose venosa cerebral
Fádua Hedjazi Ribeiro
Técnicas de processamento de imagens de tomografia computadorizada
Gabriela Castellano,
Márcia Silva de Oliveira
e Li Li Min
Diagnóstico e tratamento dos fatores de risco
Wilson Nadruz Junior
Hipertensão arterial e AVC
Rubens José Gagliardi
Atividade física e acidente vascular cerebral
Alexandre Duarte Baldin
Abordagem do tabagismo: estratégia para redução de fator de risco modificável para AVC
Renata Cruz Soares de Azevedo
Síndrome metabólica e obesidade: é melhor prevenir desde a infância
Lília D'Souza-Li
Medicina tradicional chinesa e acupuntura
Li Shih Min
Tempo é cérebro
Wagner Mauad Avelar
Orientações fonoaudiológicas
Lucia Figueiredo Mourão
e Elenir Fedosse
O papel da fisioterapia no acidente vascular cerebral
Luiz Carlos Boaventura
Terapia ocupacional no tratamento do AVC
Daniel Marinho Cezar da Cruz
e Cristina Yoshie Toyoda
Aspectos psicossociais do AVC
Paula Teixeira Fernandes
Neuroestimulação e reabilitação motora no acidente vascular cerebral
Adriana Bastos Conforto
e Josione Rêgo Ferreira
Genética e doença cerebrovascular
Marcondes C. França Jr.
Modelos animais no estudo de AVC
Marcelo Ananias Teocchi
Isquemia e hemorragia cerebral na infância
Maria Augusta Montenegro
e Carlos Eduardo Baccin
Onde a enxaqueca se encontra com o derrame cerebral
Ricardo Afonso Teixeira
Dissecção arterial: causa pouco conhecida de AVC em jovens
Cynthia R. C. Herrera
Pororoca cerebral
Li Li Min
e Paula T. Fernandes
Gravidez sem acidente
Marcelo Luís Nomura,
Liu Dong Yang
e Li Li Min
Saúde bucal e aterosclerose da carótida
Nayene Leocádia Manzutti Eid
A vivência dos familiares de pacientes no processo de adoecer e morrer
Marcos Antonio Barg
Resenha
Corpo, doença e liberdade
Por Juliano Sanches
Entrevista
Sheila Cristina Ouriques Martins
Entrevistado por Por Suélen Trevisan
Poema
Plano de rota
Carlos Vogt
    Versão para impressão       Enviar por email       Compartilhar no Twitter       Compartilhar no Facebook
Artigo
Saúde bucal e aterosclerose da carótida
Por Nayene Leocádia Manzutti Eid
10/06/2009

A radiografia panorâmica é um dos exames radiográficos mais solicitados pelos profissionais da área odontológica em sua rotina clínica. Por possibilitar uma ampla visualização das estruturas do complexo maxilomandibular, da região da articulação temporomandibular (ATM) e dos seios maxilares, é útil como recurso complementar em exames odontológicos, auxiliando o cirurgião-dentista na eleição do plano de tratamento mais adequado para cada paciente. Além disso, deve-se considerar também, que uma radiografia panorâmica feita a pedido de um cirurgião-dentista pode ser útil na identificação de algumas alterações que não estão relacionadas diretamente com a odontologia e, assim, mostrar mais do que problemas de saúde bucal. Dentre esses achados, alguns, como as placas de ateroma na artéria carótida, são considerados “acidentais”; porém, quando evidenciados, é imprescindível que sejam corretamente diagnosticados.

A aterosclerose, que apresenta como lesão fundamental o ateroma ou placa ateromatosa, localiza-se preferencialmente nas artérias carótidas comum, interna e externa, e constitui-se basicamente de depósitos lipídicos que se acumulam na íntima dos vasos, sendo a causa mais comum de acidentes vasculares cerebrais (AVCs). Quando calcificadas, as placas ateromatosas podem ser observadas nas laterais das radiografias panorâmicas, na região de tecido mole, na altura das vértebras C3 e C4, de 2 a 4 centímetros abaixo do ângulo da mandíbula, acima ou abaixo do osso hióide, conforme figura abaixo.

http://www.labjor.unicamp.br/comciencia/img/avc/ar_manzutti/img1.jpg
Desenho esquemático das estruturas ósseas e dentárias visualizadas em uma radiografia panorâmica (simulando paciente em posição). 1- Região de ângulo da mandíbula; 2- Osso hióide; 3- Imagem representativa de ateromas de artéria carótida; C1, C2, C3 e C4 - Vértebras cervicais.

Elas apresentam-se como imagens irregulares, heterogêneas e com menor densidade que as estruturas calcificadas ao seu redor (ver imagens abaixo). Essas calcificações devem ser distinguidas de outras de aspecto semelhante que podem se apresentar nessa área, como o sialolito da glândula submandibular, calcificação da cartilagem trictícea, calcificações no corno superior da cartilagem tireóide e calcificações na epiglote. Essa distinção pode ser confirmada pelo uso da combinação de critérios radiográficos e exame clínico.

http://www.labjor.unicamp.br/comciencia/img/avc/ar_manzutti/img2.jpg
Radiografia panorâmica apresentando (bilateralmente) imagens radiopacas de aspecto disforme compatíveis com ateroma de artéria carótida.

http://www.labjor.unicamp.br/comciencia/img/avc/ar_manzutti/img3.jpg
Vista aproximada das regiões na radiografia panorâmica, onde observam-se as imagens compatíveis com ateroma de artéria carótida (apontadas pelas setas).

Diversos fatores podem contribuir para a formação de ateromas, tais como: hipertensão arterial, diabetes mellitus, colesterol elevado, tabagismo, etilismo, obesidade, alterações hormonais (mulheres na menopausa), hereditariedade (pacientes com histórico de doenças cariovasculares na família), gênero (masculino), idade, sedentarismo e estresse. Ademais, há fortes evidências de que indivíduos que têm a saúde bucal comprometida por algum processo inflamatório ou infeccioso têm maior risco de sofrer alterações em suas condições sistêmicas. Exemplos disso são os pacientes portadores de periodontite ou doença periodontal – resultado da extensão de um processo inflamatório iniciado na gengiva para os tecidos de suporte do periodonto –, que correm um risco maior de ter problemas cardiovasculares e acidente vascular cerebral isquêmico. Outras infecções dentárias, que são infecções de baixo grau, também são propostas como fatores de risco para várias doenças ateroscleróticas, como infarto do miocárdio e acidente vascular cerebral.

Apesar de a radiografia panorâmica identificar a presença das calcificações sugestivas de ateromas que podem desencadear um AVC, ela não possibilita avaliar o grau de obstrução e a correta localização do ateroma, fazendo-se necessário o uso de outros recursos para se obter um diagnóstico definitivo. Para suprir essa limitação da radiografia panorâmica, podem-se solicitar outros tipos de exames, tais como: telerradiografia lateral cefalométrica, ultrassonografia de doppler, contrastes angiográficos e tomografia computadorizada. Desses, a ultrassonografia de doppler é a mais indicada para confirmação da presença, localização e tamanho dos ateromas na artéria carótida, por se tratar de um exame de baixo custo, se comparado com os contrastes angiográficos e com a tomografia computadorizada.

A presença de ateromas na artéria carótida em indivíduos clinicamente assintomáticos é, frequentemente, associado com o desenvolvimento tardio do AVC evidente clinicamente, doença da artéria coronária (angina e infarto do miocárdio) e morte. Desse modo, tem-se difundido a importância da detecção precoce dos sinais relacionados a essa entidade por meio de exames de imagem de rotina, tais como as radiografias panorâmicas, e sendo assim, o cirurgião-dentista assume relevante importância no diagnóstico inicial desse tipo de paciente, uma vez que a detecção precoce e o subsequente encaminhamento do paciente ao médico especialista para realização de tratamento apropriado irão contribuir na redução da incidência de AVCs.

Nayene Leocádia Manzutti Eid é cirurgiã-dentista, especialista em radiologia odontológica e professora de radiologia oral da Faculdade de Odontologia do Centro Universitário UNIRG.